IV Inovagri International Meeting

Pensar na gestão e com o conhecimento acadêmico contribuir para o uso racional da água. Com este objetivo há dez anos foi criado o Instituto INOVAGRI. A ideia surgiu durante uma reunião na sede da Associação de Engenheiros Agrônomos do Estado do Ceará.

Desde então, o INOVAGRI desenvolve diversas atividades que vêm contribuindo para levar aos campos irrigados de todo o Brasil uma nova perspectiva em três vertentes: a pesquisa, o desenvolvimento tecnológico e a inovação da agricultura irrigada.

Para celebrar a primeira década de atividades, o Centro de Eventos do Ceará recebe em outubro o INOVAGRI International Meeting. A comunidade científica mundial estará em Fortaleza discutindo e multiplicando o conhecimento sobre os temas que envolvem o uso da água na agricultura.

Para o evento são esperados 60 palestrantes nacionais e internacionais. Além disso, mais de 800 estudantes, pesquisadores, profissionais e interessados pelo setor, vindo de todos os Estados e de vários países que irão fazer apresentações de trabalhos científicos e promover discussões acerca dos temas. Serão 5 dias de evento, promovendo um intercâmbio de conhecimento entre os envolvidos com a temática água no meio rural, com foco principal em irrigação e drenagem agrícola.

O IV INOVAGRI INTERNATIONAL MEETING é uma realização do Instituto INOVAGRI.

Relação de Trabalhos em ordem alfabética
Título Acessos
ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO EM CULTIVO DE BETERRABA SOB DIFERENTES MANEJOS DE FERTIRRIGAÇÃO E SALINIDADE 41
ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO SOB APLICAÇÃO DE ADUBAÇÃO COM RESÍDUOS LÍQUIDO DA SUINOCULTURA 36
AUMENTO DA PRODUTIVIDADE DE MILHO PIPOCA COM O EMPREGO DE IRRIGAÇÃO SUPLEMENTAR E ADUBAÇÃO NITROGENADA 39
AVALIAÇÃO DA BIOMASSA DO NONI EM SOLOS COM E SEM MATÉRIA ORGÂNICA SOB SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO EM AMBIENTE PROTEGIDO 53
AVALIAÇÃO DA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DA ÁGUA E DOS SOLOS NA BACIA DO RIO TRUSSU, CEARÁ 54
AVALIAÇÃO DA CULTURA DO COENTRO SOB DIFERENTES NÍVEIS DE SALINIDADE. 72
AVALIAÇÃO DA CULTURA DO RABANETE EM FUNÇÃO DE DIFERENTES LÂMINAS DE ÁGUA 50
AVALIAÇÃO DA EMERGÊNCIA E CRESCIMENTO INICIAL DE CIÚME (CALOTROPIS PROCERA) SOB EFEITO DE CINCO NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO 46
AVALIAÇÃO DA INFILTRAÇÃO DA ÁGUA NO SOLO PELO MÉTODO DE INFILTRÔMETRO DE ANÉIS 38
AVALIAÇÃO DA SONDA FDR PARA DETERMINAÇÃO DA UMIDADE EM NEOSSOLO FLÚVICO 46
AVALIAÇÃO DA TEMPERATURA DA SUPERFÍCIE DA ÁGUA EM UM RESERVATÓRIO ARTIFICIAL NO RECÔNCAVO DA BAHIA: MEDIÇÃO E ESTIMATIVA 30
AVALIAÇÃO DA UNIFORMIDADE DE APLICAÇÃO DE ÁGUA EM MANGUEIRA GOTEJADORA 51
AVALIAÇÃO DA UNIFORMIDADE DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO 44
AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE DA REGIÃO DO BAIXO AÇU A SALINIZAÇÃO 28
AVALIAÇÃO DE CRESCIMENTO DO GIRASSOL ORNAMENTAL “SOL NOTURNO” FERTIRRIGADO COM ÁGUA CINZA TRATADA 35
AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE FEIJÃO CAUPI SUBMETIDOS A DIFERENTES NÍVEIS DE SALINIDADE NA AGUA DE IRRIGAÇÃO 35
AVALIAÇÃO DE LINHAGENS DE FEIJOEIRO-COMUM ADAPTADOS AO VALE DO SUBMÉDIO SÃO FRANCISCO 32
Avaliação de método para determinação da sensibilidade de gotejadores à obstrução por partículas sólidas 38
AVALIAÇÃO DE MÉTODOS DE ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA PARA MACEIÓ - AL 37
AVALIAÇÃO DE OSMOPROTETORES NAS TAXAS FOTOSSINTÉTICAS E PIGMENTOS CLOROPLASTÍDICOS EM FEIJOEIRO SUBMETIDO À SUPRESSÃO HÍDRICA 31
AVALIAÇÃO DE UM MODELO HÍDRIDO DE ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO UTILIZANDO LANDSAT 8 E DADOS TRMM 35
AVALIAÇÃO DO COEFICIENTE DE UNIFORMIDADE DE APLICAÇÃO DE ÁGUA EM UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADO 34
AVALIAÇÃO DO COEFICIENTE DE UNIFORMIDADE E VAZÃO EM FITAS POROSAS 33
Avaliação do teor de sólidos solúveis na videira em função do manejo de desponte dos cachos 48
AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SUBSTRATO IRRIGADO COM ÁGUAS SALINAS UTILIZANDO TÉCNICA MULTIVARIADA 39
AVALIAÇÃO DOS COEFICIENTES DE UNIFORMIDADE E EFICIÊNCIA DE APLICAÇÃO EM UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADO POR GOTEJAMENTO 37
AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DE FONTES E DOSES DE NITROGÊNIO NAS CARACTERÍSTICAS TECNOLÓGICAS DA CANA-DE-AÇÚCAR 32
Avaliação dos Fatores Climáticos no Cultivo de Feijão-Caupi em Teresina-PI 30
AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO CULTIVO DE TILÁPIAS UTILIZANDO REJEITO SALINO COMO SUPORTE HÍDRICO 37
AVALIAÇÃO MORFOMÉTRICA DE MUDAS DE ALFACE PRODUZIDAS EM SUBSTRATOS ALTERNATIVOS, COM E SEM FERTIIRIGAÇÃO 31
BALANÇO DE ENERGIA E EVAPORAÇÃO DA ÁGUA COM BAIXA TURBIDEZ EM RESERVATÓRIOS DE USO AGRÍCOLA 33
BALANÇO DE SAIS EM SUBSTRATO DE HÍBRIDOS DE TANGERINEIRA COM SWINGLE CONSIDERADOS TOLERANTES 29
BALANÇO HÍDRICO CLIMATOLÓGICO E DETERMINAÇÃO DA ETR PARA FINS DE MANEJO DE IRRIGAÇÃO NO MUNICÍPIO DE PETROLINA-PE 43
BALANÇO HÍDRICO SEQUENCIAL PARA A CULTURA DA MELANCIA PRODUZIDA NO VERÃO NA REGIÃO DE JUAZEIRO, BAHIA 38
BIOESTIMULANTE E ESTRESSE SALINO NA QUALIDADE DE MUDAS DE PIMENTAS PRODUZIDAS EM FIBRA DE COCO 32
BIOMASSA DA FOLHA EM CULTIVO DE CANA-DE-AÇÚCAR FERTIRRIGADA COM ZINCO E NITROGÊNIO 35
BIOMASSA EM MUDAS DE PINHA SOB FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA EM SUBSTRATO COM POLÍMERO 39
BIOMETRIA DE PLANTAS JOVENS DE COQUEIRO “ANÃO VERDE” EM SOLOS AFETADOS POR SAIS E SOB DEFICIÊNCIA HÍDRICA 30
BIOMETRIA DO COLMO DA CANA-DE-AÇÚCAR FERTIRRIGADA COM NITROGÊNIO E ZINCO 34
BRIX DA CANA-DE-AÇÚCAR FERTIRRIGADA SOB APLICAÇÃO DE UREIA E NITRATO DE AMÔNIA 35
BRIX DA CANA-DE-AÇÚCAR IRRIGADA VIA PIVÔ CENTRAL E COM APLICAÇÃO DE DOSES DE NITROGÊNIO E ZINCO 36
CALIBRAÇÃO DA SONDA HIDROFARM PARA DETERMINAÇÃO DO VOLUME DE ÁGUA DO SOLO SOB DIFERENTES NÍVEIS DE SALINIDADE 39
CALIBRAÇÃO DE TDR PARA DETERMINAR A UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO DIFERENTES NÚMEROS DE LEITURAS 35
CALIBRACIÓN DE CÁMARAS TÉRMICAS NO REFRIGERADAS EMBARCADAS EN UAVs PARA APLICACIONES AGRONÓMICAS 37
CAN Setaria viridis (A 10.1) BE USED AS MODEL PLANT FOR VALIDATION OF GENES FOR SALINITY TOLERANCE? 28
CAPACITIVE PROBE CALIBRATION IN EUTROFERRIC RED NITOSOL CULTIVATED WITH IRRIGATED FORAGES 41
CARACTERÍSTICA ESPECTRAL DE CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO DURANTE O CICLO DE DESENVOLVIMENTO NO SUL DO BRASIL 31
CARACTERÍSTICA INDUSTRIAL DA CANA-DE-AÇÚCAR IRRIGADA VIA PIVÔ CENTRAL E COM APLICAÇÃO DE NITROGÊNIO E ZINCO 29
CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE FRUTOS DE GOIABEIRAS SOB ALTAS FREQUÊNCIAS DE IRRIGAÇÃO E DIFERENTES COBERTURAS MORTAS 33
CARACTERÍSTICAS TECNOLÓGICAS DA CANA-DE-AÇÚCAR SUBMETIDA A APLICAÇÃO DE NITROGÊNIO E ZINCO 33