IV Inovagri International Meeting

Pensar na gestão e com o conhecimento acadêmico contribuir para o uso racional da água. Com este objetivo há dez anos foi criado o Instituto INOVAGRI. A ideia surgiu durante uma reunião na sede da Associação de Engenheiros Agrônomos do Estado do Ceará.

Desde então, o INOVAGRI desenvolve diversas atividades que vêm contribuindo para levar aos campos irrigados de todo o Brasil uma nova perspectiva em três vertentes: a pesquisa, o desenvolvimento tecnológico e a inovação da agricultura irrigada.

Para celebrar a primeira década de atividades, o Centro de Eventos do Ceará recebe em outubro o INOVAGRI International Meeting. A comunidade científica mundial estará em Fortaleza discutindo e multiplicando o conhecimento sobre os temas que envolvem o uso da água na agricultura.

Para o evento são esperados 60 palestrantes nacionais e internacionais. Além disso, mais de 800 estudantes, pesquisadores, profissionais e interessados pelo setor, vindo de todos os Estados e de vários países que irão fazer apresentações de trabalhos científicos e promover discussões acerca dos temas. Serão 5 dias de evento, promovendo um intercâmbio de conhecimento entre os envolvidos com a temática água no meio rural, com foco principal em irrigação e drenagem agrícola.

O IV INOVAGRI INTERNATIONAL MEETING é uma realização do Instituto INOVAGRI.

Relação de Trabalhos em ordem alfabética
Título Acessos
ABSORÇÃO DE NUTRIENTES PELO MAMOEIRO EM FUNÇÃO DAS ÉPOCAS DE CULTIVO 84
ACCUMULATED INFILTRATION AND SPEED OF INFILTRATION IN SANDY LOAM SOIL WITH AND WITHOUT VEGETABLE COVERAGE 55
ACTUAL EVAPOTRANSPIRATION ESTIMATED BY ORBITAL SENSORS, UAV AND METEOROLOGICAL STATION FOR VINEYARDS IN THE SOUTHERN BRAZIL 52
Açúcar total recuperável da cana de açúcar submetida a fertirrigação com nitrogênio e zinco 30
ACÚMULO DE ÁGUA E BIOMASSA DO FEIJOEIRO COMUM CULTIVADO SOB ESTRESSE HÍDRICO E SALINO 37
Acúmulo de biomassa de cultivares de feijão-fava submetidas ao estresse salino 33
ACÚMULO DE BIOMASSA EM PLANTAS DE FAVA IRRIGADAS COM ÁGUAS SALINAS EM SOLO COM BIOFERTILIZANTES 42
ACUMULO DE FONTES E DOSES DE NITROGÊNIO PELA CANA-DE-AÇÚCAR IRRIGADA UTILIZANDO-SE TÉCNICA DE DILUIÇÃO ISOTÓPICA DE 15N 37
ACÚMULO DE MAGNÉSIO E ENXOFRE DA RAIZ DO TOMATE COM APLICAÇÃO DE ÁGUA RESIDUÁRIA 29
ACÚMULO DE MASSA SECA EM COUVE RABANO BRANCA CULTIVADA EM FIBRA DE COCO FERTIRRIGADA COM DIFERENTES SOLUÇÕES NUTRITIVAS 30
ADUBAÇÃO ORGÂNICA E FERTIRRIGAÇÃO POTÁSSICA EM VIDEIRA DE VINHO ‘SYRAH’ I: COMPOSIÇÃO DO MOSTO 29
ADUBAÇÃO ORGÂNICA E FERTIRRIGAÇÃO POTÁSSICA EM VIDEIRA DE VINHO ‘SYRAH’ II: COMPOSTOS FENÓLICOS 33
ADUBAÇÃO SUPLEMENTAR COM ENXOFRE ATENUA OS EFEITOS DO ESTRESSE SALINO EM ALFACE HIDROPÔNICA 51
ÁGUA SALINA E URINA DE VACA NO CRESCIMENTO E FORMAÇÃO DE BIOMASSA EM PLANTAS DE BERINJELA 38
ÁGUAS SALOBRAS: LIMITAÇÃO OU OPORTUNIDADE PARA CULTIVO DE PIMENTEIRA ‘BIQUINHO’? 41
AJUSTE DA EQUAÇÃO DE MAKKINK PARA O MUNCÍPIO DE JUAZEIRO-BAHIA 51
AJUSTE DOS PARÂMETROS DA EQUAÇÃO DE ANGSTRON-PRESCOTT NA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO GLOBAL EM MUNICÍPIOS GOIANOS 43
AJUSTES DE MODELOS PARA A SECAGEM DE GRÃOS DE SORGO EM DIFERENTES TEORES DE ÁGUA 36
AJUSTES DE USO DE MODELO DE ESTIMATIVA DA CONCENTRAÇÃO DE NITRATO A PARTIR DA CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DA SOLUÇÃO DO SOLO 25
ALTERAÇÕES MORFOLÓGICAS EM CULTIVARES DE SOJA SUBMETIDAS AO DÉFICIT HÍDRICO 109
ALTERAÇÕES QUÍMICAS DE SOLO CULTIVADO COM GRAMA BERMUDA E IRRIGADO COM URINA HUMANA 32
ALTERAÇÕES QUÍMICAS EM NEOSSOLOS QUARTZARÊNICOS IRRIGADO COM EFLUENTES DOMÉSTICOS E ÁGUA DE ABASTECIMENTO 29
ALTURA DE PLANTAS DE CENOURA SOB INFLUÊNCIA DE DIFERENTES LÂMINAS DE ÁGUA E DOSES DE FERTIRRIGAÇÃO 32
Análise da deposição de partículas de argila em um sistema minifluidico de escoamento 37
ANÁLISE DA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DO COENTRO (Coriandrum sativum L.), EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES LÂMINAS DE ÁGUA 30
ANÁLISE DA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DO COENTRO EM AMBIENTE PROTEGIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO NO AGRESTE ALAGOANO 29
ANÁLISE DA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DO COENTRO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES NÍVEIS DE SALINIDADE NA LÂMINA DE IRRIGAÇÃO 31
ANÁLISE DA VARIABILIDADE DO ÍNDICE DE VEGETAÇÃO NDVI EM DIFERENTES TIPOS DE COBERTURA VEGETAL NA BACIA DO RIACHO JARDIM/CE 40
ANÁLISE DE DEPENDÊNCIA ESPACIAL DOS PARÂMETROS DA CURVA DE RETENÇÃO DE ÁGUA NO SOLO 44
Análise de sensibilidade do modelo isotópico à mudanças na umidade relativa do ar 41
ANÁLISE DO PROCESSO DE SALINIZAÇÃO DE TERRAS NO PERÍMETRO IRRIGADO DO BAIXO AÇU 32
ANÁLISE DO RISCO DA SALINIDADE DAS ÁGUAS NO TRECHO PERENIZADO DO RIO TRUSSU 40
ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DO PERCOLADO DO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE MOSSORÓ-RN 37
ANÁLISE QUALITATIVA DE ÁGUA EM TRÊS POÇOS NO SEMIARIDO CEARENSE 46
ANÁLISE QUANTITATIVA DA CEBOLINHA VERDE IRRIGADA COM DIFERENTES QUALIDADES E QUANTIDADES DE ÁGUA DE IRRIGAÇÃO 28
ANÁLISE SENSORIAL DE AGRIÃO PRODUZIDO COM ÁGUAS SALOBRAS EM SISTEMA HIDROPÔNICO NFT 34
ANÁLISES DA PRODUTIVIDADE DA ÁGUA DO COQUEIRO ANÃO COM IMAGENS LANDSAT 8 NO MUNICÍPIO DE CAMOCIM, ESTADO DO CEARÁ, BRASIL 35
ANALYSIS OF HUMIDITY, ELECTRICAL CONDUCTIVITY AND PH IN SALINIZED SOILS OF IRRIGATED PERIMETER CURU-RECUPERAÇÃO, PENTECOSTE-CE 36
APLICAÇÃO DO SENSORIAMENTO REMOTO NA DETERMINAÇÃO DA TEMPERATURA DA SUPERFÍCIE EM DIFERENTES TIPOS DE COBERTURA VEGETAL NA BACIA DO RIACHO JARDIM/CE 37
APLICAÇÃO EXÓGENA DE ÁCIDO SALICÍLICO E ESTRESSE SALINO EM ALFACE CRESPA CULTIVADA EM SISTEMA SEMIHIDROPÔNICO 34
APLICAÇÃO EXÓGENA DE ÁCIDO SALICÍLICO E ESTRESSE SALINO EM RÚCULA CULTIVADA EM SISTEMA SEMIHIDROPÔNICO 30
APLICAÇÃO EXÓGENA DE ÁCIDO SALICÍLICO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE COENTRO EM SISTEMA SEMIHIDROPÔNICO 27
APROVEITAMENTO DE FONTES E DOSES DE NITROGÊNIO DE PELA CANA-DE-AÇÚCAR IRRIGADA UTILIZANDO-SE TÉCNICA DE DILUIÇÃO ISOTÓPICA DE 15N 35
ÁREA FOLIAR DA BERINJELA FERTIGADA SOB ESTRESSE SALINO E DIFERENTES RELAÇÕES K/Ca 41
ÁREA FOLIAR DA CANA-DE-AÇÚCAR IRRIGADA SOB DIFERENTES NÍVEIS DE NITROGÊNIO E ZINCO 39
Área Foliar da cana-planta fertirrigada com nitrogênio e zinco 37
Aspectos fisiológicos de variedades de cana-de-açúcar submetidas a estresse salino 35
ASPECTOS MORFOFISIOLÓGICOS E ACÚMULO DE NaCl EM FOLHAS DE COUVE HIDROPÔNICA 42
ASPERSÃO DE PROLINA EM DE PLANTAS DE SORGO EM CONDIÇÕES SALINAS: METABOLISMO E EXPRESSÃO DOS GENES RELACIONADOS 39
ATIVIDADE MICROBIANA EM LATOSSOLO EM FUNÇÃO DA SALINIDADE 37